quinta-feira, setembro 20, 2007

[Bic e as pequenas coisas de quando era pequena]


Hoje de manhã, voltando para a casa (?!) depois de uma noite com sonhos curtos e bons, passei por uma feira na rua debaixo.

Pensei que se eu for velha, quero ir na feira com minha sacolinha de tecido, porque a feira tem todo aquele charme de ser, tudo tão fresquinho, os cheiros das frutas invadindo o nariz ainda poluído do bar da noite anterior.

As maçãs tão bonitas, as bolachas amanteigadas, as pêras...o gosto delas quando dissolvem na boca. Senti vontade de ligar e dizer que as pêras estavam lindas ali, fazendo contraste com as laranjas ao lado, mas contive o impulso. Já pensou? Cena patética seria eu ligando pra falar sobre pêras.

Seria mais ou menos como no exemplo da noite anterior, quando o menino ensaia pra chegar perto da garota mais bonita da festinha e na hora H de puxar o assunto, escapa aquela frase ridícula e sem sentido e a menina ri, o menino é tomado pela pela vergonha e sai à procura de uma pá, pra cavar um buraco e sair dali.

Mas enfim, só de sentir vontade de ligar já é foda, portanto vou mudar de assunto discretamente e voltar às frutas.

Esses dias eu fui na casa da minha tia. Depois do almoço ela e minha mãe foram pro jardim plantar mais e mais flores por ali. Eu que já estava desconcentrada do Saramago , desisti da leitura e fui até onde elas estavam. Senti uma vontade incrível de pisar na grama. Tirei os chinelos, peguei várias daquelas florzinhas que você assopra e elas parecem fadas bailando no ar.
Fui até o pé de amoras. Estava cheio de amoras pelos galhos todos. Nossa, que sensação, senti o gosto da minha infância, ele estava ali o tempo todo e eu não notei, ou o deixei de lado por algum motivo.

Comi quantas amoras pude aguentar, os dedos manchados de vermelho, sentei-me embaixo dela e pensei em como eu era feliz naquele momento, só eu e as amoras. Eu e as florzinhas de fadas, e outras roxinhas ali no canto, eu e as flores coloridas da minha tia, eu e mais ninguém.
Acho que foi com isso que sonhei hoje. De qualquer maneira foi um sonho bom.





ps: Falando de Feira e de Fruta, foi impossível evitar a comparação cretina:

2 comentários:

Hein, rique disse...

qualquer coisa que eu queira lembrar da minha infância ta mto longe de mim


aiai

belo texto
=]

adorei

Dann Schuchter. disse...

que texto lindo bic

*-*