quarta-feira, setembro 05, 2007

[Bole um título pra descrever a amizade] - mion


"Aimona arazol no test o ok/ li tdu kkkk"



"A vida imita a arte". Realmente. Eu conheço as histórias mencionadas dos seres inanimados, pinguins e afins da bic. Sei o quanto elas são sarcasticamente divertidas, ironias a respeito do amor (né?) e tal. E um dia eu me atrevi a desafia-la a um texto feliz ou quase. Ela topou. E me surpreendeu com uma história tão verossímil que parece a minha.

A bic é assim. Surpreende sempre. Quando eu achei que ela não pararia com aquele cigarro maldito, ela me vem com um "parei de fumar faz um mês!" diretamente da lan house maldita.
Outra vez, ao sair de uma cena "tragicômica" em uma loja de pratas e anéis, o passatempo do momento foi observar uma pobre e linda árvore na rua XV. 5 minutos a observar, inertes ao nosso redor total, as flores daquela arte desapercebida aos olhos urgentes dos pedestres malucos da rua...das FLORES, ora essa. Rua da FLOR, vc para e olha a FLOR da rua...DA FLOR, ué...gente afobada. credo.

Sempre precisei dos conselhos impulsivos dela, mesmo eu sendo o irmão mais analítico. Era preciso uma certa dose de coragem pra dar a idéia maior, pra eu poder analisar a partir daquilo. Dar e receber ajuda, faz quase dez anos e sempre estamos assim. Mas quando a gente não consegue sozinho... partimos pros profissionais, né gente...

...alguém aí pensou "psicólogo"? nah...nada disso. Profissionais de dar conselhos, a margem dos livros honestos, os brilhantes mestres do humor nacional e (principalmente) internacional: são eles, Os livros de auto-ajuda. HaH! Quem nunca leu alguma coisa de algum, só pra ter certeza que "ninguem roubou seu queijo, ele continua na gavetinha da brastemp faz 3 dias já, ta na hora de ir no BIG comprar mais..", ou que você não é artista nessa tal "arte de ser feliz/pai rico/bem sucedido/líder/amoros...É!" ou até mesmo as "99 maneiras de dizer eu te amo, usando uma caneta mágica e atóxica no corpo e bexigas, com margaridas ao lado do aeroporto (fácil)"... essa é a nossa fonte, nosso pão de cada crise, é por aí que vamos cumprir nosso plano de ficar ricos e produzir livros pra garotada complexada anos 90/doismil que vem aí.

Eles vão ficar piores que nós, pode ter certeza.
Enquanto isso, nós vamos ficar a rir das pataquadas da inclusão digital, essa beleza que vem vindo ultimamente, nos tempos de hoje.Mais do que nunca, em londres, ou em uma casa com flores na janela. Nós e todomundo que for da nossa família. hahhahahahaha

Essa é uma história de bic e eu. Irmãos por opção. O termo que define é esse aí mesmo.


Um comentário:

bicmuller disse...

Escolhi você pra ser irmão. E escolheria mais mil vezes se fosse necessário.

Amo muito mesmo. E dá pra escrever um livro com todas as cenas felizes, emocionantes, engraçadas, introspectivas e cúmplices que já vivemos!!!