quarta-feira, maio 20, 2009

[sobre a fragilidade das coisas]



Eis que me vejo aqui novamente no mesmo lugar.
Sem saber em que direção seguir, sem saber pra qual lado o nosso vento vai bater mais forte e levar nossos anseios pra longe junto com todas as mágoas que nos servem o café da manhã.
Quem errou?
Quem foi que disse a palavra errada?
Quem foi que deixou o silencio ser a resposta de tantas coisas?
Qual de nós agora está dormindo mal por ter achado que ir embora e dormir sozinho era mais fácil do que enfrentar tantas dúvidas e medos?
Quantas coisas se perderam entre nós para nos transformar em completos estranhos, que mal sabem trocar um bom dia...
Eu nem sei mais o quanto eu perdi.
Eu nem entendo mais aonde foram parar aquelas coisas bonitas que um dia já dissemos um para o outro.
A primeira vez que tocamos nossas mãos e quando acreditamos que poderíamos as segurar para sempre.
Isso tudo virou poeira que escondemos debaixo de um tapete qualquer.
Nosso castelo de cartas já caiu há tanto tempo.
Essas ruínas ainda devem existir em algum lugar ainda.
É tudo tão frágil.
O monstro do armário continua no mesmo lugar.
O lobo assoprando, tentando derrubar o muro de pedra que eu mesma construí com as mãos.
Não passa de uma lembrança que eu tenho que procurar em mim, as vezes aparece assombrando a casa vazia e me segue em algumas praças.
Eu ainda moro no mesmo lugar. Ainda suspiro antes de dormir. Ainda esfrego meus pés debaixo das cobertas. Ainda deixo o chá esfriar. Corto o queijo bem fininho e nunca acerto o número de colheres do Nescau. Eu ainda levanto da cama com o pé direito e escovo os dentes andando descalça pela casa. Eu ainda durmo no canto da cama, por não saber usar aquele espaço todo. Ainda almoço nos mesmos lugares e misturo as comidas de um jeito irritante. Ainda fumo na janela tentando deixar a chama acesa até chegar no chão.
E eu ainda não sei aonde foi que nós fomos parar.
Ainda não sei.

3 comentários:

Prisca, insana criança disse...

Sempre incrível teus textos...
Tem selo pra ti no meu blog.

Nicole disse...

Tuas palavras me fizeram lembrar de coisas esquecidas... acabei por me emocionar.
Intensidade gritando nas entrelinhas. ;)

Nonoca disse...

Aproveita esse momentos e escreve bastante. Seus melhores posts são qdo vc tá assim. Pra vc ver que tudo tem um lado bom [/poliana]. Te amo. Sou sua fã, serião.