segunda-feira, novembro 03, 2008

[.]

Quero as minhas cores todas de volta. Todas elas que foram roubadas.
Caminhando hoje de peito aberto, sangrando um vermelho desbotado. Caminhando rápido demais pra rever todas as coisas que vou deixar pra trás. Todas as ruas que eu não vou mais passar, nem sozinha, nem de mãos dadas.
Me despedindo dos fantasmas da sala de estar. Tirando meu monstro do armário e o colocando na mala, escrevendo minha autobiografia sem as partes que não me cabem mais.
Sem despedidas, nem adeus. Nem perdão, nem pecado algum vai me acompanhar.
Perdi um pedaço de mim nesta estrada. Cavei com os próprios dedos uma pequenina cova aonde ficou o meu coração seco e mudo.
Não levo meus erros. Não levo minhas incertezas. Elas não caberiam na bagagem.
Estou leve. Deixei as calçadas pra trás. Vou lá longe buscar as minhas cores roubadas.
Eu já perdi demais. Quero tudo de volta.
Minhas palavras, meu som, meu gosto menos amargo, quero de volta os meus passos largos, quero acordar de volta.
As coisas que eu perdi estavam dentro de mim, todas. E eu as perdi outra vez. Era um amor meio diferente que eu senti. Quero de volta. Quero tudo. Hoje eu perdi, amanhã eu ganho o mundo.

3 comentários:

Hein, rique disse...

já ouvi muitos desses B.O.s das coisas roubadas. Como irmão, me sinto no dever de te ajudar a procurar de volta. Conta comigo.

;*

carol~ disse...

te empresto minhas cores.

Larissa disse...

conte comigo, me avise a data.